Reforma trabalhista: O que interfere na vida dos sindicatos?

Na última sexta feira completou 1 mês que o senado aprovou as novas leis trabalhistas, e com juntamente algumas mudanças que interferem na vida dos trabalhadores e também dos Sindicatos.
Embora a contribuição sindical seja algo de extrema importância para a manutenção dos sindicatos que atuam de forma a manterem os direitos trabalhistas sempre em pauta e primordialmente concedendo a mediação das melhorias abordadas pelas classes. A partir de novembro deste ano está colaboração sucederá a ser facultativa, dependendo assim totalmente da autorização do funcionário, onde a liberdade da associação é privilegiada.
Para especialistas esta manobra acarretará em alguns sérios declínios financeiros para os sindicatos, visto que estes mesmo de grande porte tem compromissos financeiros proporcionais a suas receitas, e administração complexa.
“O Ministério do Trabalho e Emprego aponta que no Brasil existem hoje, aproximadamente 11 mil sindicatos de trabalhadores e 5 mil sindicatos de empresas (patronais), o que resulta em um número expressivo de pessoas dependentes da receita dessas organizações”Fonte: Economia – iG
Partindo dessa realidade brasileira a especialista em direito do trabalho a doutora Helena Lahr, aponta que o corte dessa contribuição resultará em um grande volume de desempregados, visto que há alto índice de dependentes de sindicatos.
Por fim neste último dia 9, o ministro do trabalho Ronaldo nogueira descartou a possibilidade de haver uma nova contribuição sindical obrigatória.